Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

08
Nov17

Os miúdos precisam saber sobre sexualidade?


Sofia Serrano

Deparei-me há alguns dias com uma série de comentários na net sobre o facto de que as crianças estavam a falar de sexualidade muito cedo na escola. Estes pais questionavam o porquê de se falar a miúdos de 8 anos sobre o aparelho reprodutor, sobre engravidar e uma série de outras coisas, quando deviam estar a falar de "coisas importantes" (que suponho seriam todas as outras). Um verdadeiro coro de indignações.

 

Curiosamente, o que me parece a mim, é que os nossos miúdos não têm a formação adequada ou suficiente na área da sexualidade.

Eu explico melhor : apesar de serem uma geração com acesso a muita informação em vários meios de comunicação (desde internet , à televisão e revistas), os curriculos escolares não trabalham a educação sexual de acordo com o que eles necessitariam, nem os pais se sentem à vontade para explicar e esclarecer dúvidas. Quer na escola, quer em casa, a sexualidade pode e deve ser abordada, adaptada à idade da criança.

Na verdade, muitos de nós vêm a sexualidade como algo tabu. Foi o que nos ensinaram há muitos anos atrás. Muitos ainda pensam assim, e é preciso mudar mentalidades.

 

Para os mais incrédulos, está demonstrado que a sexualidade faz parte de quem nós somos, contribui para a nossa identidade ao longo da vida e faz parte do nosso equilíbrio físico e psicológico.

Falar de sexualidade não é só falar sobre sexo. É falar sobre emoções, sensações, sentimentos, amor!

 

E a sexualidade existe desde que nascemos até morrermos.

O bebé recém-nascido tem prazer em cada carícia e com a satisfação das suas necessidades básicas. Um bebé de nove meses descobre o corpo ao manipular os seus órgãos genitais. A partir dos dois anos, a criança auto-classifica-se no que diz respeito à sua identidade sexual – devendo poder fazê-lo sem que os pais forcem a escolha do cor-de-rosa ou do azul, se jogam à bola ou brincam às cozinhas e às bonecas. E tudo isto acontece antes mesmo da chegada da “idade dos porquês".

A maneira como os nossos filhos vão viver a sua sexualidade vai depender de uma série de fatores: dele próprio, das suas características, da família, do que aprende na escola, dos amigos, do ambiente sociocultural...E é na adolescência que se evidenciam os comportamentos socioafetivos e sexuais.

 

Mas porque não informar? A informação é poder.

Se uma menina de 8 anos tiver conhecimentos sobre o seu aparelho reprodutor, estará mais preparada para as mudanças que aí vêm. saberá que a partir do primeiro período menstrual o seu corpo está apto para uma gravidez. Estará informada e com conhecimentos para, nas várias etapas, viver a sua sexualidade de forma segura, com respeito por si própria e pelos outros.

 

No ano passado, a minha filha deu os aparelhos reprodutores (estava no 3º ano). Veio muito frustrada, porque, depois de darem a matéria, perguntou à professora "Mas afinal como é que o espermatozóide vai parar ao pé do óvulo para se formar o bebé?".

A resposta da professora foi "Acabaram-se as dúvidas em relação a esta matéria.".

Foi a mim que ela veio perguntar porque queria perceber e achava estranho a professora não responder. Expliquei a "mecânica" das relações sexuais e lembrei-lhe que nos animais também acontecia assim. A reação foi "Ah, afinal era só isso?".

Conversar sobre as coisas ajuda - explicar, e não fazer delas um tabu.

Depois desta conversa, comprei-lhe uns livros, e disse-lhe que se tivesse duvidas falávamos sobre o assunto. Acho que é uma boa estratégia e que pode ajudar muitos pais que não se sentem à vontade com este assunto.

(estes são os que ela leu:)

 

 

9789898855336.jpg.png

 

 

07
Nov17

Parabéns, meu amor!


Sofia Serrano

5ADB604B-C207-4E27-88E8-7F6C72EF365F.jpeg

Hoje o pai faz anos.

Fizeram desenhos especiais e até uma decoração para o bolo de pão de ló, que enfeitaram com chantilly e morangos e que comemos bem cedo, antes de sairmos para o trabalho e escola.

Houve um presente inesperado (que vai fazer toda a família feliz!) e muitos beijos e abraços.

Parabéns R.!

Adoramos-te e queremos estar contigo muitos e muitos anos!

 

07
Nov17

Sobre os "sítios para deixar crianças"


Sofia Serrano

Nos dias de hoje, não há hotel nem centro comercial que se preze que não tenha uma sítio para as crianças brincarem, sob supervisão especializada (vulgos monitores), a troco de alguns euros por hora, enquanto os pais vão "fazer alguma coisa" - seja compras, massagens, ir ao cinema ou seja lá o que for. Uma espécie de "depósito de miúdos", perdoem-me a expressão.

 

Eu confesso: isto comigo não resulta. E faz-me francamente confusão. Em primeiro lugar porque as nossas crianças passam os dias inteiros na escola, supervisionados por alguém que não os pais, e só os vêm (a grande maioria) de manhã, de fugida, e à noite, entre banhos e jantares.

Depois, porque quando saímos juntos para passear ou vamos passar um fim de semana a um hotel, o nosso objetivo é passarmos tempo de qualidade em família. 

 

Ora o conceito "em família" implica "todos", incluíndo os miúdos. E termos tempo juntos é bom - não é preciso estarmos sempre colados uns aos outros, mas partilharmos espaços e experiências, é bom para todos - nós precisamos de conhecer os nossos filhos, eles precisam da nossa perspetiva de ver o mundo para crescerem.

Por isso, não consigo deixar lá os meus filhos e ir descansada à minha vida, como vejo tanta gente fazer. O tempo é precioso e eles são a minha vida.

 

 

 

30149_animal_wood_park.jpg

 

06
Nov17

Confissões de uma blogger


Sofia Serrano

large.jpg

 

 

No dia em que decidi começar este blogue, o meu Café, Canela & Chocolate, apetecia-me muito escrever. As paixões são assim: intempestivas e fortes, que nos fazem avançar sem pensar muito sobre o assunto. Foi em 2012, há 5 anos atrás. Não sabia muito sobre blogues, nem sobre a blogosfera, mas apeteceu-me desbravar caminho e fui descobrindo o meu trilho. Sem nenhum guia, nem grande formação informática, só mesmo pelo gosto de descobrir e criar.

Comecei a escrever nas saídas de banco ou nas horas calmas nas urgências. Acordava mais cedo com o entusiasmo de fazer mais um post e muitas vezes não conseguia adormecer sem transpor para o ecrã aquilo que me ia na alma. Nunca houve um plano, e o guia foi sempre o coração.

Nunca pensei que uma paixão se tornasse num amor para toda a vida, porque (como sabe quem me conhece) gosto de viver um dia de cada vez.

Mas mais uma vez, a vida encontra o seu caminho, e as paixões também.

 

Há 5 anos atrás não imaginava que pudesse ter 20.000 visualizações num dia, que recebesse dezenas de mensagens diariamente a dizer que gostam do que escrevo, que se identificam, que sentem o mesmo que eu. Como mulheres, como mães e pais. Não imaginava que tivesse milhares de seguidores, que tivesse nascido um livro dos meus textos que foi uma extraordinária surpresa de vendas, que tivesse conhecido pessoas fantásticas e que recebesse tantos mails a pedir conselhos e orientações. Não imaginava que o que escrevo pudesse chegar a tanta gente. Sim, estes 5 anos foram uma viagem mágica.

 

Também não imaginava que um dia teria a pressão para vender coisas no meu blogue. Que o que era um amor pela escrita se pudesse tornar num negócio - muito rentável, se eu estivesse disposta a isso. Não imaginava que me iria desiludir com este mundo, respirar fundo muitas vezes, acreditar em mim e dizer "não" muitas mais. Dizer "não" a tornar esta minha paixão numa montra de produtos que não uso nem preciso a troco de centenas de euros. Dizer "não" porque, desculpem, não estou à venda.  Dizer "não" porque felizmente tenho uma profissão que amo, que me paga as contas no final do mês, e que permite que este blogue seja "só" o meu blogue - e não o blogue das agências, das marcas e de outros que sabem que os influenciadores digitais podem ser a melhor maneira de chegar às pessoas.

 

 

 

04
Nov17

Coragem.


Sofia Serrano

820de4cd877008d13a8d1c7001abb372--my-daughter-daug

 

É difícil esta coisa de sermos mães.

Não temos todas as respostas e muitas vezes sentimos que podíamos fazer melhor. Mas o segredo é não desistir, e começar cada dia com coragem e esperança❤️

 

Bom dia a todas as mães, e que consigamos ajudar a criar seres humanos extraordinários, que façam a diferença neste nosso planeta

01
Nov17

Halloween


Sofia Serrano

22893965_1546308815463755_8387789353983220982_n.jp

Esta foto traduz mais ou menos esta coisa do Halloween: uns entraram no espírito desta tradição anglo-saxónica, outros não querem nem saber.

A verdade é que aqui por casa já recebemos o Halloween de braços abertos e há teias de aranha e abóboras em todas as divisões, e festa preparada para esta noite.

Eles estão sempre prontos para diversão, e vestirem-se de outras personagens é algo que adoram.
Por isso esta manhã seguiu um diabinho e um pirata zombie para a escola.

Pág. 2/2

Bem-vindos!

Olá! Sou a M. Sofia Serrano S., Ginecologista-Obstetra, mãe de dois miúdos maravilhosos, apaixonada por escrita. Adoro café, canela e chocolate e aproveitar as coisas boas da vida! Neste blog partilho as nossas aventuras em família, os desafios de ser mãe, dicas para as grávidas e tudo o que é fundamental saber sobre a saúde da mulher. Também conto algumas das aventuras dos hospitais e partilho um bocadinho deste mundo da medicina. Fiquem por aqui!

Os meus livros

Captura de ecrã 2016-09-20, às 20.46.51.png

Comprar

Contactos

msofiaserrano@gmail.com

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.