Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

23
Jul13

A infertilidade (essa coisa que assusta)


Sofia Serrano

Ter filhos parece ser o curso normal da vida. 
O passo seguinte naquele percurso de crescer-estudar-trabalhar-casar. 
Quando somos novos não pensamos muito nisso, encaramos como um evento natural que vai surgir mais cedo ou mais tarde na vida. 
E depois do curso, queremos um trabalho estável, um sítio para viver, progredir na carreira. Deixamos os filhos lá mais "para a frente", quando a altura for ideal. 
E depois, quando parece que surgiu o momento ideal, passa um mês, 2 meses, 1 ano, dois anos...e o tão desejado filho não chega. Começa a ansiedade. A incompreensão. A dúvida. O "porquê nós"? E nem sempre é fácil para o casal admitir que precisa de ajuda para perceber o que se passa.
Na verdade, a fertilidade feminina começa a diminuir a partir dos 30 anos, e mais marcadamente a partir dos 35. E apesar de historicamente a mulher ser "a culpada" do casal não conseguir ter filhos, sabemos que na sociedade actual, factor feminino e masculino contribuem de forma muito idêntica para o número de casais inférteis a nível mundial - estima-se que no mundo ocidental ronde os 15%.
Quando não se consegue uma gravidez e se recorre a ajuda médica, embarca-se numa luta. Uma luta para perceber o que não está bem - e isso implica muitos exames, muitas angústias, mas também e acima de tudo, muita esperança de se conseguir a gravidez tão desejada. Nalguns casos é necessário tomar medicamentos para induzir a ovulação, noutros é necessário cirurgia, noutros ainda é preciso recorrer à FIV (fertilização in vitro) e outras técnicas de procriação medicamente assistida (3 a 4% das crianças que nascem na Europa são fruto destas técnicas). E é preciso tentar uma vez, duas vezes, três vezes. 
É preciso coragem e é preciso uma pitada de sorte, para que tudo resulte naquele momento mágico, que é ver o 2º tracinho no teste de gravidez.


Para seguir o Café, Canela & Chocolate no facebook é aqui.

4 comentários

Comentar post

Os meus livros

Captura de ecrã 2016-09-20, às 20.46.51.png

capa_formato_real-04.jpg

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D