Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

21
Abr14

Como é que nos tornamos "naqueles pais"


Sofia Serrano

Pela boca morre o peixe. A frase mais verdadeira de sempre no que toca à maternidade. Ou parentalidade. Quero com isto dizer que quando somos solteiros e não temos filhos, facilmente emitimos opiniões sobre os filhos dos outros e sabemos sempre como educaríamos os nossos. Criticamos tudo e mais alguma coisa e temos a certeza absoluta que faríamos melhor. Muito melhor, sem sombra de dúvida.
Por exemplo, quando saíamos para jantar e tínhamos o azar de ficar sentados ao lado de um casal com filhos pequenos, que faziam barulho e atiravam com a comida, tínhamos a certeza que os nossos nunca se portariam assim. Nem fariam birras por não quererem comer a sopa e muito menos utilizaríamos como estratagema para os manter quietos o iphone ou o ipad com filmes do ruca. 
Não. 
Nós educaríamos os nossos filhos e eles seriam civilizados.

E birras em pleno supermercado, com aquele filme de se atirarem para o chão a espernear? Não. Isso nunca nos aconteceria.

Pois claro.

E de repente, damos por nós em plena refeição num restaurante cheio,  com um filho que adora atirar com tudo o que está na mesa para o chão (seja loiça, talheres ou comida) e tenta por tudo sair da cadeira e correr à volta das mesas.  Pelo meio vai dando uns gritos à índio e em simultâneo faz o seu ar fofinho-maroto, o que nos permite não sermos expulsos imediatamente. E a irmã, que nunca na vida fez birras (achávamos nós que era mérito nosso), de repente também alinha naquela confusão com o mais pequeno. Lá vamos repetindo regras de boa educação e comportamentos adequados em locais públicos para dois miúdos com menos de 6 anos, mas é, basicamente inútil, porque no meio da excitação da brincadeira, eles, definitivamente, não nos ouvem.
E quando damos por nós, somos "aqueles pais" que antes criticávamos. E estamos a pô-los em frente ao ipad a ver filmes infantis para conseguirmos sobreviver à refeição. 

E birras em plena rua com aquele atirar para o chão a espernear? 
Pois. 
A chantagem com chocolate resulta - ou gelados, levantam-se num instante. Aquela estratégia "baixa" que tanto criticávamos tem de ser a arma empregue em situação de emergência. 

Pronto, às tantas somos péssimos pais. 
Ou então somos só pais em modo-de-sobrevivência, que é como quem diz, pais imperfeitos a fazer o melhor que sabemos.

 

4 comentários

Comentar post

Os meus livros

Captura de ecrã 2016-09-20, às 20.46.51.png

capa_formato_real-04.jpg

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D