Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

22
Fev14

Dicas para as grávidas #18: Tudo sobre os partos na água


Sofia Serrano

Em países como o Reino Unido, o trabalho de parto e parto na água são uma opção quer em meio hospitalar quer em meio comunitário (partos no domicílio).
O parto na água pode ser oferecido a mulheres com uma história obstétrica normal e com um trabalho de parto espontâneo, a termo, sem factores de risco.
Têm sido realizados trabalhos de investigação para avaliar segurança e eficácia do parto na água, ainda inconclusivos.



Os benefícios potenciais do parto na água são:
- ambiente tranquilo e relaxante (opção da mulher)
- menor necessidade de analgesia farmacológica 
- trabalho de parto mais rápido
- mobilização mais fácil da mãe, que pode adoptar mais facilmente posições mais confortáveis para o parto
- melhora o fluxo uterino, e parece reduzir a necessidade de intervenção (partos com fórceps ou ventosas, cesariana...)

As desvantagens/riscos:
- atraso no reconhecimento de intervenções emergentes
- aumento da incidência da hemorragia pós-parto
- aumento das infecções materna e fetais

Para se realizar um parto na água, devem-se seguir algumas orientações importantes:

- a entrada na água deve ser sempre por escolha da mulher, na altura em que se sente confortável; 
- o trabalho de parto não deve ser pré-termo (antes das 37 semanas) ou pós-termo (depois das 41)e o bebé deve estar cefálico (de cabeça); 
- à entrada deve ser  realizado um CTG, que deve ser tranquilizador e a observação materna deve ser normal;
- o casal deve ser informado que perante qualquer complicação/suspeita de complicação, têm de sair da piscina e que devem sempre seguir as indicações das parteiras e médicos;
- a temperatura da água deve estar à mesma temperatura do corpo da mãe;
- a mãe deve ter água de forma a ficar com o abdómen imerso;
- o bebé deve ser trazido imediatamente à superfície assim que nasce.

A experiência das mães que têm partos na água parece ser única e muito especial, por todo o contexto e tranquilidade adjacente. No entanto, continua a ser necessário informar os casais que não há evidência suficiente para garantir a total segurança do parto na água, visto os estudos nesta matéria ainda não serem conclusivos.




Em Portugal, o único hospital público que faz partos na água é o Hospital de São Bernardo, em Setúbal. O primeiro nascimento dentro de água aconteceu há quatro anos e, desde aí, o hospital faz, em média, dois a três por mês. O hospital de Setúbal conta no total com 135 imersões em água durante o trabalho de parto. Segundo os responsáveis pela instituição, o número de grávidas a procurar o serviço tem vindo a aumentar.






5 comentários

Comentar post

Os meus livros

Captura de ecrã 2016-09-20, às 20.46.51.png

capa_formato_real-04.jpg

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D