Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

06
Dez14

O que não nos dizem sobre a maternidade


Sofia Serrano

Ter filhos é uma coisa maravilhosa - isso toda a gente sabe, mesmo quem ainda nem sonha ter filhos. Nos blogs e nas revistas, tudo é perfeito: a gravidez decorre sem problemas de maior, as grávidas estão sempre lindas e bem dispostas, vestem roupa de marca e tiram fotos dignas de publicação, viajam para destinos paradisíacos com uma barriga de terceiro trimestre tranquilamente, os bebés nascem de parto natural e corre tudo lindamente, vestem roupa gira e aumentam de peso sem problema, dormem toda a noite, raramente adoecem, não fazem birras, seguem religiosamente tudo o que os pais dizem, têm sempre kits impecáveis e não dão nenhum trabalho. 

Isto é assim enquanto navegamos na net e folheamos revistas. Mas o mundo real é bem diferente.
 
O que realmente se passa quando avançamos para o fabuloso mundo da maternidade:
 
1. Ficar grávida pode não significar ficar gira-e-fashion: as grávidas têm enjoos, mudanças de humor, deixam de caber na roupa e podem ter queda de cabelo e voltar a ter acne como na adolescência. E podem ter complicações na gravidez que implicam repouso durante 9 meses - e por isso, nada de viagens ao Brasil, e muito menos cambalhotas com o marido.
 
2. O parto pode ficar muito longe do que sonhamos: as contracções doem à séria e por isso se calhar não aguentamos o parto na água e gritamos logo por uma epidural, ou às tantas não temos tempo para nada e temos mesmo de aguentar a dor. Ou não queríamos nada uma cesariana e tem mesmo de ser, ou queríamos mesmo uma cesariana e temos um parto normal ultra rápido (que pode até acontecer no jardim da casa, quando ninguém esperava).
 
3. Os bebés  quando nascem não tem um ar perfeito e muitas das vezes nascem antes de tempo e precisam de ficar na incubadora, e não vestem os cueiro que sonhámos nem têm o ar fofinho que imaginávamos. Ou então já não cabem na roupa que levámos para a maternidade, ou acabamos de lhe vestir o kit perfeito depois de dar de mamar e a fralda deixou passar o xi-xi e temos de mudar tudo de novo.
 
4. A maioria dos bebés não dorme mais do que 4horas durante os primeiros meses, porque precisa de comer, e às vezes temos de passar toda a noite a pé, porque o pequeno tem cólicas, bolsou, tem fome ou precisa de mudar a fralda. E não, no dia seguinte de manhã, não estamos lindas e maravilhosas para tirar fotos com o bebé ao colo e colocar no instagram ( só se tivermos um maquilhador profissional a morar connosco e bebermos 2litros de café).
 
 
5. A esmagadora maioria das mães tem de voltar a trabalhar ao fim de 4 ou 5 meses e muitas das avós trabalham e não podem ficar com os netos. Por isso, é quase matemático que ao fim de umas duas semanas de escolinha, começam os ranhos, as tosses e as viroses - e as doenças recorrentes, com as mães a terem de faltar ao trabalho para tratar deles. E sim, isto dura até perto da escola primária.
 
6. Os miúdos não andam sempre maravilhosamente vestidos. Aliás, primeiro é difícil convence-los a vestir o que nós achamos giro, depois é difícil impedi-los de esfolar os joelhos a brincar no parque ou não sujarem o vestido com a gola bordada a comer um gelado. Já para não falar dos sapatos estragados a andar de baloiço ou do ranho verde que teima em aparecer ( e que eles limpam instintivamente à manga daquele casaco giro que lhe comprámos).
 
7. Os miúdos não se portam sempre maravilhosamente. Aliás, apesar de acharmos que os educamos correctamente, eles nem sempre fazem o que lhes dizemos, fazem birras nos sítios mais inesperados ( e nós morremos de vergonha) e trocam - nos frequentemente os planos.
 
8. Cada dia desde que somos pais vai ter novos desafios, uns muito duros, outros mais fáceis de ultrapassar. E cada dia vai ser uma conquista e uma descoberta - não, não vai ser fácil. Vamos chegar ao fim do dia cansados e muitas vezes sem paciência. Mas a verdade é que quando olhamos para os nossos filhos, a dormir tranquilamente, esquecermo-nos de todas as dificuldades e sentimos que somos os mais felizes do mundo - graças a eles.
 
Por isso, o mais importante a saber sobre a maternidade é que aprendemos o que é o amor incondicional.
 
 

DSC_1205.JPG

 

 

 
 

10 comentários

Comentar post

Os meus livros

Captura de ecrã 2016-09-20, às 20.46.51.png

capa_formato_real-04.jpg

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.