Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Um parto-quase-perfeito

02.06.15 | Sofia Serrano
Se eu pudesse escolher, queria ter um parto tranquilo. 
Queria uma gravidez sem stress, e chegar perto das 39-40 semanas e começar com contracções, depois de um dia a preparar o quarto do bebê. 
Queria manter-me descontraída, aguentar as contrações até à última da hora, ir para o hospital e descobrir que já tinha a dilatação completa. Não ter tempo para a epidural, mas ter capacidade de me controlar, tolerar a dor e fazer força na altura certa.  Chorar de emoção com o meu bebe no peito, deixar o pai cortar o cordão.
Hoje foi mais um dia assim, com um parto-quase-perfeito, daqueles que me deixam com uma pontinha de inveja, por não ter tido a sorte de um parto assim. Costumamos dizer que com o pessoal "da casa" , ou seja, quem trabalha no hospital, há sempre alguma coisa que corre fora do planeado. 
Os meus partos saíram completamente deste meu plano-quase-perfeito. Não entrei espontaneamente em trabalho de parto, tive de induzir depois das 40 semanas porque eles não queriam nascer,  a indução demorou, não tolerei a dor, não me consegui controlar como queria, supliquei por uma epidural. Tive um parto por ventosa e depois uma cesariana. Tive complicações da epidural. 
Mas passava por tudo outra vez, pelo momento único em que os seguramos pela primeira vez, sentimos a sua pele macia, o cheiro bom a recém nascido- o que acaba por ser, na mesma, um parto-quase-perfeito, apesar de andar longe do que imaginamos inicialmente.
                     
                                 
    
       
          
 

Dia da Criança

01.06.15 | Sofia Serrano
Esta coisa de ser Dia Da Criança foi uma boa desculpa para as minhas crianças madrugarem ainda mais que habitualmente, na excitação de um dia especial e de perceberem se ia haver ou não presentes. 
O mais pequeno ainda perguntou se o pai natal tinha vindo durante a noite, mas a mana crescida esclareceu prontamente que não era essa altura do ano, que se houvesse presentes era a mãe e o pai a comprar. 
E agora já há um T-Rex e um unicórnio em histórias de encantar aqui pela casa, mesmo antes do pequeno almoço. 

(Preciso tanto de café!) 

Bom Dia da Criança para todos!



Pág. 3/3