Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Sábados bons

16.01.16 | Sofia Serrano

As coisas simples são as melhores. Estarmos juntos está no topo da lista.

Sim, a vida é possível quanto tens de estar longe, mas é tão melhor quando voltas.

 

image.jpeg

 

É assim que as coisas fazem sentido : uma cama cheia de risos e cócegas numa manhã de sábado, um pequeno almoço demorado com os quatro e muitas histórias da semana, planos para o fim de semana, beijos.
Sao estes momentos que nos mostram o que precisamos mesmo para sermos felizes.

 

 

 

 

 

 

Não há más mães - um post sobre mamas

15.01.16 | Sofia Serrano

1e11d207c6d65ffd2f5bcf756db465f4.jpg

 

Já perceberam que não sou fundamentalista. Não acho que as coisas tenham de ser pretas ou brancas - o cinzento também é uma cor e não gosto de dizer "eu nunca vou fazer isto". Não sei o que o dia de amanhã me reserva.

Muito se fala de amamentação. Uns porque sim, tem se ser, sob qualquer circunstância, porque é o melhor para a mãe e para o bebé.

Outros porque não, porque já decidiram que ia ser assim e se o biberon existe não vão mudar de ideias.

Parece-me que o mundo é grande o suficiente para todos nós.


E posso-vos contar a minha experiência, no meio disto tudo. Mais uma, como muitas que já leram, que não significa que seja igual à vossa, melhor ou pior - é só a minha, uma partilha entre mães.

Como profissional da área sei, desde o tempo da faculdade, que o leite materno é o ideal para alimentar o bebé. Tive uma fantástica professora de Pediatria, a Dra Leonor Levy, acérrima defensora da amamentação numa altura em que os biberons estavam na moda. Ela mostrou-nos todos os factos e evidências que defendem a amamentação, desde a ligação entre a mãe e o bebé, até ao facto do leite materno ter exactamente as substâncias que eles precisam nos primeiros meses de vida. E explicou-nos como orientar uma pega correcta (o posicionamento da boca do bebé no mamilo, para que a sucção seja a adequada, o bebé não engula ar e o mamilo não fique macerado). E mais uma vez em teoria é tudo muito simples. E parece muito fácil.

Depois, anos mais tarde, quando comecei na especialidade, sempre incentivei a amamentação (porque os benefícios são inegáveis, e às vezes é preciso insistir um bocadinho e não desistir à primeira dificuldade), mas também contactei com situações em que as coisas claramente não estavam a correr bem (como mastites complicadas) e tentei que as mães compreendessem que não eram piores mães se deixassem de amamentar para ficarem bem, que mãe e bebé saudáveis e felizes é o que se quer.

 

Claro que depois vem a minha experiência pessoal - passar pelas coisas dá-nos claramente outra perspectiva.

 

 

Quando é preciso esconder a gravidez

14.01.16 | Sofia Serrano

Costumo dizer às futuras mães que todas as gravidezes são diferentes. Até a mesma mulher, cada vez que espera um novo bebé, vai viver esta fase de forma diferente.  É impossível comparar barrigas, sintomas, alterações de humor. A ciência não prevê o que vai acontecer em cada gravidez - pode dar uma probabilidade, mas nunca há certezas de nada. 

Há grávidas tranquilas, grávidas que passam 9 meses a vomitar. Grávidas que brilham, exibindo orgulhosamente a sua barriga, grávidas que se sentem pessimamente naquele novo corpo e só querem que passe depressa.

 

E depois há as gravidezes escondidas.

Aquelas que acontecem sem querer, quando se tem 16 anos.

Quando se vive intensamente o momento, quando as emoções comandam. Quando não se tem coragem para contar aos pais, porque se sente que o mundo perfeito que tinham vai ruir, que se vão desiludir com a menina deles. E por isso, esconde-se o máximo de tempo possível.

Disfarçam-se os enjoos, reprime-se a vontade de comer descontroladamente ou aqueles apetites estranhos, de grávida. Adapta-se a roupa para ninguém notar. Não se fala sobre isso a ninguém, nem à melhor amiga. Não se vai ao médico, para ninguém desconfiar. Nas aulas de educação física finge-se uma dor de barriga, estar com o período, ter febre. E assim vão passando as semanas.

Mas há um momento em que a gravidez escondida se torna real, quando a barriga se torna impossível de esconder. E afinal, por entre lágrimas e alguma revolta, os pais aceitam, e ela fica tranquila. E feliz, porque queria muito aquele bebé, apesar de só ter 16 anos. E no final, tudo corre bem, como nos contos de fadas.

 

E hoje, aqui no consultório, está grávida do segundo filho e lembra-se perfeitamente da primeira gravidez. Lembra-se que foi tão diferente. Agora pode ver com tempo, na ecografia, os pés do seu filho, as mãos, a expressão - e a filha também pode espreitar naquele monitor o seu irmão, a filha que passou quase 40 semanas escondida.

Nesta gravidez, quer ver tudo, saber tudo, contar ao mundo que adora estar grávida, que ama muito os seus filhos.

 

E sim, cada gravidez é única e especial. Inesquecível, corra como correr.

 

ITT2012-CP001-209236-1-m-Thinkstock_e_Getty_Images

 

Parabéns McDreamy!

13.01.16 | Sofia Serrano

Não podia deixar passar esta data em branco: o nosso neurocirurgião preferido faz 50 anos! E não, ainda não perdoei à Shonda o facto de ter acabado com a vida do McDreamy na Anatomia de Greys - ainda nem consegui continuar a ver a série, porque me parece que tudo deixou de fazer sentido. Mas adiante.

Hoje, o Patrick Dempsey faz 50 anos, e olhando para a bela carreira que já tem, só posso dizer que envelheceu muito bem - com médicos destes aqui pelo nosso SNS, aposto que tuuuuudo correria muito melhor...

Parabéns! 

dish-042415-mcdreamy.jpg

 

 

 

Poder chamar o pediatra a casa: Knok

11.01.16 | Sofia Serrano

Esta altura no ano, com frio e chuva, é altura de miúdos doentes. Começam com ranhos e tosses, depois há otites, amigdalites e toda uma série de doenças com nomes mais ou menos complicados. Para quem tem miúdos pequenos, já se sabe que o inverno é uma altura particularmente difícil.

A grande maioria das doenças são coisas virais e pouco graves, mas na verdade, eu gosto sempre da opinião do pediatra. Confesso que não gosto muito de os levar às urgências pelas coisas mais simples, porque tenho sempre a sensação que vão com uma doença e uns dias depois aparece outra, que muito provavelmente apanham na sala de espera - a varicela aqui por casa apareceu assim, fomos ao hospital por uma amigdalite, e na sala de espera apanhou-se varicela...

 

Por isso, achei muito interessante um novo projecto de um grupo de colegas, a Knok, e por isso partilho aqui no blog: uma ideia inovadora, que permite, através de uma app no telemóvel, chamar o pediatra a casa para uma consulta de urgência.

Isto sim, agrada-me: os miúdos são vistos por um especialista, sem precisar de passar horas à espera numa urgência, sem apanhar frio nem outras doenças de outras crianças, e os pais ficam descansados. E é possível ver na app o tempo que o médico vai demorar a chegar.

Mas a Knok não serve só para urgencias, também é possível agendar a consulta de rotina com o pediatra que se escolher - na app podem-se consultar currículos dos vários especialistas, as áreas de interesse e diferenciação e ver as opiniões de quem já foi tratado por esses médicos.

Há muitas outras especialidades disponiveis, desde ortopedia a psiquiatria, passando por medicina geral e familiar - basta consultar na app a especialidade que necessitamos e ver os especialistas disponíveis na nossa zona, e a disponibilidade dos mesmos para uma consulta. A rede de médicos está a crescer em todo o país, já contando com mais de 70 na área do Porto e Lisboa, e em expansão para o sul do país.

Basta instalar a app Knok no Smartphone e ver as disponibilidades de médicos na nossa área. 

Podem saber mais sobre a Knok no site ou na página de facebook  - e se acham uma boa ideia, como eu, deixem um gosto!

 

image.jpeg

 

 

 

 

 

Como ser a esposa ideal

08.01.16 | Sofia Serrano

 

Em maio de 1955, a revista Housekeeping Monthly publicou um artigo chamado “O guia da boa esposa”, onde se explicava, tim-tim por tim-tim o que as mulheres precisavam fazer para serem as esposas perfeitas. Lê-lo é em simultâneo hilariante e assustador. E faz-nos pensar que, de facto (felizmente!) vivemos num mundo muito diferente.

Deixo-vos os 18 passos para ser a mulher perfeita, segundo o lifestyle da época:

 

1. Tenha o jantar sempre pronto. Planeie com antecedência. Esta é uma maneira de fazer com que o seu marido  saiba que se importa com ele e com as suas necessidades.

 

2. A maioria dos homens estão com fome quando chegam em casa, e esperam uma boa refeição (especialmente se for seu prato favorito), faz parte de uma recepção calorosa.

 

3. Guarde 15 minutos para descansar, assim estará revigorada quando ele chegar. Retoque a maquilhagem, ponha uma fita no cabelo e pareça animada.

 

4. Seja amável e interessante para ele. O seu dia foi dificil, e precisa que o anime, é uma das suas funções fazer isso.

 

5. Tenha a casa arrumada. Dê uma volta pela parte principal da casa antes do seu marido chegar. Junte os livros escolares, brinquedos, papel, e em seguida, passe um pano sobre as mesas.

 

21-1.jpg

 

 

 

 

Os impossíveis da medicina

06.01.16 | Sofia Serrano

Na faculdade de medicina ensinam-nos probabilidades e bioestatística.

Ensinam-nos que há acontecimentos altamente improváveis, mas muitos de nós, médicos, gostamos de dizer "lamento, mas é impossível acontecer". Provavelmente pela sensação de poder, de determos o conhecimento e a verdade.

Mas poucos médicos mantêm este tipo de discurso, porque estatísticas são estatísticas, e pessoas são pessoas. E a vida é uma coisa complexa, que nos vai ensinando a nunca dizer nunca. Porque nunca se sabe.

 

A senhora de 40 anos que entrou no meu consultório disse que não era suposto estar ali, que tudo aquilo era impossível. Tinham-lhe dito, há muitos anos atrás, que era impossível engravidar, por ter as trompas obstruídas. Vários médicos repetiram essa palavra definitiva. Tentou tudo e mais alguma coisa durante 20 anos para ter o tão desejado filho, e depois desistiu.

Pelo meio, teve um cancro na mama, e foi preciso fazer uma cirurgia radical e uma série de outros tratamentos. Ser mãe era uma coisa há muito esquecida.

No meio de uma vida complicada, entrou numa depressao profunda, separou-se, esqueceu-se dos meses, namorou sem pensar em futuro.

Um dia, o impossível aconteceu. Um dia, descobriu que estava grávida do filho impossivel.

Chora ao ouvir o coração do filho impossivel. Do "acidente" impossivel, aos 40 anos, depois de um diagnóstico de infertilidade, de um cancro da mama e de uma depressão. Chora e ri ao mesmo tempo. E diz que mesmo que o pai não o queira, ela vai fazer tudo por este milagre.

Não há impossíveis - nem na medicina, nem na vida. 

 

Que haja sempre esperança. 

 

image.jpeg

 

 

 

O segredo para sermos felizes e saudáveis

03.01.16 | Sofia Serrano

Um estudo feito ao longo de 75 anos traz algumas respostas.

O que nos faz viver saudáveis e felizes?

Não, não é o trabalho, nem o dinheiro e muito menos a fama.

Sim, são as coisas verdadeiramente importantes: a família, os amigos, o nosso amor.

Para verem aqui: http://www.ted.com/talks/robert_waldinger_what_makes_a_good_life_lessons_from_the_longest_study_on_happiness

E para pensarmos sobre isto, e começarmos bem o ano. Para sermos mais felizes.

 

4f7e7bae5deb3dcda3d1f032e5a7c0df.jpg

 

 

 

Reveillon no Hotel Ô Golf Mar

02.01.16 | Sofia Serrano

Este ano decidimos que o reveillon seria especial, e resolvemos ir em família passar o último dia do ano - e o primeiro de 2016 - a um sítio especial. A Costa Oeste já nos conquistou anteriormente e o Hotel Ô Golf Mar, no Vimeiro, deixa-nos sempre vontade de voltar, por isso foi com o oceano Atlântico como pano de fundo que entramos no novo ano.

Vestimo-nos a rigor para o jantar de Gala no hotel, deliciamo-nos com as iguarias preparadas para este jantar especial, dançamos muito e assistimos a um espectacular fogo de artíficio depois de beber o champanhe, comer as doze passas e abraçar e beijar quem mais gostamos!

O Pedro adormeceu antes da meia-noite, mas acordou com as buzinas e o "Feliz Ano Novo!" que se ouvia à nossa volta. A Mariana esteve sempre cheia de energia, dançou com o pai e o avô e adorou tudo! Ficaram os dois fascinados com o fogo de artifício.

Ficam algumas fotos dos momentos no Hotel Ô Golf Mar (quem nos segue no instagram já foi vendo algumas que fui partilhando).

  

DSC_0014.JPG

A maravilhosa vista do nosso quarto  

(adoro adormecer com o som do mar!) 

DSC_0812.JPG

Pronta para sair para o jantar de Gala!

Vestido La Redoute 

 

Pág. 2/2