Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Slow life

30.05.17 | Sofia Serrano

Porque é que temos todos a sensação que os dias passam a correr? Que as semanas passam depressa demais? Que os anos desaparecem num instante?

 

Porque é que temos todos a sensação que ainda ontem éramos adolescentes e de repente temos um mundo de responsabilidades? Porque é que saímos de casa cedo, à pressa, e chegamos tarde, à pressa?

Onde é que vamos sempre, com tanta pressa?

Porque é que os nossos filhos, que ainda ontem estavam na nossa barriga, já nos chegam ao ombro?

O que é que aconteceu aos dias, às horas, aos segundos?

O que é que ganhamos com a correria diária, o viver para o trabalho?

 

Não sei responder. Mas sei que ninguém tem tempo para nada. Ninguém tem tempo para um café, para conversar. Para estar sentado no parque, sem fazer nada - só a ouvir o vento. Ninguém tem tempo para ler um livro, ou para reparar nas cerejeiras, carregadas de fruta.

 

O tempo. Sempre o tempo.

O tempo é o tesouro da nossa sociedade. É um luxo termos tempo.

E muito possivelmente, vivemos melhor com menos e com mais tempo.

Trabalhar menos - o suficiente para termos os bens essenciais - e aproveitar mais.

Ter tempo para aproveitar a vida.

Não precisamos de uma casa magnífica e roupa de marca se não temos tempo para olhar para as ondas do mar. Ou para ouvir o que se passou hoje na escola do miúdo. Não vale a pena passarmos dias a fio a trabalhar para termos toda a tecnologia de ponta em casa se só lá vamos para dormir. Não compensa sair de casa de madrugada e voltar ao fim do dia se não conheço os meus filhos, se nunca falei com os meus vizinhos, se não me lembro que dia é hoje e nem me apercebo que já estamos quase nas férias de verão ( e ainda ontem era natal).

 

É isto que se passa por aqui. Uma tentativa de viver melhor. Tirar coisas que não precisamos, trabalhar o essencial, comprar menos, estar com quem amamos. 

 

Desligar mais desta vida acelerada. Respirar fundo. Ter tempo para a vida. Ser mais feliz.

15977381_10154997915576318_8642997109417297462_n.j

 

Birth Advisor

21.05.17 | Sofia Serrano

 

birth-photographer-newborn-baby(pp_w934_h622).jpg

 

Porque o mundo da internet nos permite aceder a muita informação, agora também existe o Birth Advisor.

No Birth Advisor, podem pesquisar os vários locais para nascer em Portugal, e perceber quantas "estrelas" tem, do ponto de vista do utente.

Para além disso, podem ler as várias opiniões de quem teve o seu parto no local que estão a pesquisar, e podem ainda deixar a vossa avaliação.

 

 

 

O vencedor do passatempo Ikea #euqueroarrumar!

21.05.17 | Sofia Serrano

IKEA2.jpg

 

Dia 20 de maio foi o dia da arrumação!

Para comemorar, a IKEA Loulé desafiou-me a falar acerca de soluções de arrumação para a minha divisão preferida da casa: a cozinha. 

Adoro uma cozinha branca, com muita luz, com uma ilha e uma mesa de refeições grande e foi exatamente nesse ambiente que decorreu este meu workshop.

Recebi um grupo fantástico na minha cozinha de sonho e trocámos boas dicas de arrumação : desde soluções práticas e à mão para arrumar farinhas, sementes, granolas, legumes, garrafas, pequenos eletrodomésticos, até soluções de arrumação para os espaços mais difíceis da cozinha (como os cantos), sempre a pensar que a cozinha é um espaço para a família, e que as crianças podem ajudar, tendo acessíveis, por exemplo, loicas e talheres inquebráveis, e afastado tudo o que seja perigoso ou que se parta.

Os meus pequenos ajudantes também lá foram dar uma ajuda, como cá por casa!

 

 

Coisas de bebés

19.05.17 | Sofia Serrano

Dia da Mãe (2).JPG

 

Às vezes perguntam-me se não tenho saudades da altura em que os meus filhos eram bebés.

Aquela altura em que eles são completamente dependentes de nós, em que ainda se estão a ambientar à vida fora da barriga da mãe. Aquela altura em que temos de saber interpretar choros, descodificar pequenos barulhinhos fofos que eles fazem, perceber se estão felizes, se têm fome, se têm cólicas, se estão com calor.

Tenho boas memórias desses tempos (algumas não tão boas assim!) mas gosto de pensar que é bom aproveitar todas as fases da vida deles, com tranquilidade e sem saudosismos, sabendo que cada dia é recheado de surpresas e desafios.

 

A verdade é que a fase de "bebé" tem MESMO grandes desafios.

Tive a sorte de conseguir amamentar os meus dois filhos sem grandes problemas até terem 12 meses, o que foi ótimo para todos e extremamente prático.

Quando vejo as minhas amigas com bebés pequenos uma das coisas que as faz desesperar (para além das dúvidas e dificuldades iniciais com a amamentação) são as cólicas!  Aposto que toda a gente já ouviu mil-e-uma-receitas para ajudar nas cólicas do bebé - e há umas que resultam, outras nem por isso.

A verdade é que as cólicas fazem parte da adaptação do bebé à vida exterior e têm que ver com a imaturidade intestinal. O Pedro teve uns episódios terríveis de cólicas quando ainda mamava em exclusivo, mas felizmente foram poucos. Queridas enfermeiras que me ensinaram bons truques e deram dicas para minimizar o problema! 

 

 

O nosso fim de semana "desconectados"

16.05.17 | Sofia Serrano

DSC_0175.JPG

 

 

Foi um desafio lançado pelo canal A&E Portugal, a propósito da estreia da nova temporada de "Desconexão Total" esta quarta feira, dia 17, às 22:30. Na série, vamos acompanhar a história de famílias que abandonam a vida urbana e se aventuram no mundo rural. E a mudança é enorme!

 

Nós fomos desafiados a passar um fim de semana semelhante aos dias das famílias da série: "desconectados" da cidade e "conectados" ao campo. Fomos para um lugar maravilhoso na zona de Seia: Chão do Rio, em Travancinha. Com casas de pedra e telhados de colmo, à volta de uma piscina biológica de águas cristalinas, uma quinta com oito hectares, árvores antigas, grandes maciços em granito, cogumelos e flores raras. 

 

Chegámos já tarde, na sexta feira, e acabámos por não conseguir parar para jantar, porque viémos a confiar nas indicações do gps e perdemo-nos! Mas a querida Catarina, do Chão do Rio, não só nos levou facilmente para o sítio certo com as suas indicações, como ainda nos levou ovos das galinhas da quinta e alfaces da horta, bem como um extraordinário vinho para que pudessemos improvisar um jantar. Fomos tratados como família por todos. E que bem que soube comer com a lareira acesa e depois adormecer no silêncio do campo!

 

DSC_0015.JPG

 

 

Como o desafio era "desligar" do ritmo da cidade, apesar de haver wi-fi e televisão nas casas, deixamos telemóveis, computadores e televisão de lado (à exceção do festival da canção, que tínhamos mesmo de ver!) e aproveitamos em pleno os dias no campo, com tempo para explorar e conviver.

Acordamos com os galos, comemos um pequeno almoço delicioso deixado num cesto na nossa casa (com iguarias da beira!) e depois fomos ajudar a D. Emília a amassar o pão - que é uma simpatia! Todos pusemos as mãos na massa e após deixar repousar, ajudamos a preparar o forno a lenha e a colocar o pão a cozer.

 

Workshop #euqueroarrumar no Ikea Loulé!

16.05.17 | Sofia Serrano

Captura de ecrã 2017-05-16, às 15.40.06.png

 

 

O Ikea desafiou-me a partilhar as minhas soluções de arrumação para a cozinha.

A verdade é que a cozinha é a minha divisão preferida - onde nos encontramos no início e no final do dia, onde conversamos, cozinhamos, partilhamos refeições, onde se fazem TPC e jogos!

Adoro estar na cozinha, mas gosto de ter as coisas organizadas de forma prática. 

No sábado, dia 20 de maio, dia da arrumação, vou estar no IKEA Loulé às 15:00 para um workshop gratuito sobre soluções de arrumação para a cozinha

Podem-se inscrever on-line, aqui, ou basta aparecerem no dia na loka Ikea Loulé e participar.

Vai ser muito giro e aposto que vão voltar a casa cheios de boas ideias e soluções de arrumação!

Posso contar convosco?

Beyblade, os piões fixes!

15.05.17 | Sofia Serrano

EP04_03.tif

 

 

O miúdo está crescido. Nem quero acreditar que daqui a nada faz 5 anos!

Já tem opinião sobre tudo, está super desenrascado, gosta de ajudar em casa e adora brincar na rua com os amigos. E de repente, anda com expressões como "super fixe" e "bué" que me parece que nós só aprendíamos lá para a adolescência. 

Para além disso, agora tem um novo amor televisivo: Beyblade. Dá no canal BIGGS e desde dia 1 de maio que estreou uma nova série de episódios inéditos, "Beyblade Burst".

Ação, combates épicos e espírito de equipa - é o que se passa nesta série, onde há torneios com piões. Lá me convenceu a ver uns episódios com ele, e expliquei-lhe que também brincava com uns piões com os meus amigos quando era pequena.

"Mas, mãe, estes são uns piões fixes!"

E pronto. 

Fim de semana desconectados

11.05.17 | Sofia Serrano

 

Já pensaram como seria viver de forma mais autêntica? Sem o caos do trânsito, sem a pressão das redes sociais...

Com tempo, num ambiente tranquilo, no meio da natureza.

Cada vez mais famílias sentem que precisam de mudar.

Porque vem aí uma nova série muito especial no canal A&E, fomos desafiados a viver uma experiência de "Desconexão total!".

Este próximo fim de semana, vamos sair da cidade e voltar ao campo - e aos dias longos em família!

(e prometemos contar tudo!)

 

 

 

 

 

 

 

 

Salvador

09.05.17 | Sofia Serrano

6a02eab946bb93097d0d3831d9b9830d.jpeg

Um país inteiro, de volta ao festival da canção.

Obrigada Salvador, por nos lembrares que não há nada melhor que sentir.

 

 

Eu quero arrumar! (a IKEA ajuda)

08.05.17 | Sofia Serrano

 

 

 

Gosto de ver revistas de decoração e sou capaz de passar horas no pinterest em busca de inspiração para a decoração da casa - coisas do estilo simples, com um toque de romantismo.

Tudo muito bonito e arrumadinho.
E já se sabe que com o passar do tempo vamos encontrando as peças certas, aquelas que ficam mesmo bem na sala, e no quarto, e no escritório.

Vamos transformando a nossa casa à nossa medida até nos sentirmos perfeitamente bem lá.

Até que...nascem os nossos filhos.

E pronto, aí temos o mega ciclone doméstico, e repentinamente (no meio de fraldas e chuchas e brinquedos) deixamos de reconhecer a nossa casinha-ultra-arrumada-e-decorada.

 

Coisas que se passam por aqui:

 

- Toda a casa se tornou num quarto de brinquedos gigante.

Não vale a pena resistir e explicar que o quarto deles é que é o local certo para brincar, porque em poucos segundos, há carrinhos e barbies, desde a banheira ao escritório.
Portanto, a solução foi arranjar uns baús ou caixas giras, para cada divisão, para arrumar tudo (que em caso de visitas inesperadas, são super úteis para largar toda a tralha e ter uma casa com aspecto arrumado).

 

- A cozinha foi reorganizada para albergar pratos inquebráveis, talheres às cores, esterilizadores de biberons e toneladas de bolachas e iogurtes e a cadeira de papa fez parte da decoração durante muito tempo!

A mesa de refeições passou a ser o local dos TPC (enquanto a mãe faz o jantar) por isso também há caixas com lápis e canetas, folhas e tintas também nesta divisão.

 

- A televisão da sala deixou de ser propriedade comum e passou a ter um horário específico para utilização dos adultos, que é como quem diz "quando os miúdos vão dormir".

De resto, a nossa tranquila sala, onde liamos romances deitados no sofá, passou a ser uma sala de cinema, com restos de comida nas almofadas e sessão contínua de filmes de princesas, carros e rucas (para além de se transformar num local de picnics de bonecas e super-heróis). E claro, foi preciso arranjar um baú onde arrumar todos os brinquedos!

 

É verdade, não somos só nós que mudamos com a maternidade. Cá por casa, muita coisa mudou e ando todos os dias numa luta para arranjar soluções de arrumação para que a casa onde vivem dois adultos e duas crianças continua a ser a nossa dream home, todos os dias. 

 

IMG_9146.JPG 

 

 

 

Dia da Mãe

07.05.17 | Sofia Serrano

Captura de ecrã 2017-05-07, às 19.32.43.png

 

 

Acordar com mimos e sorrisos. Viver todos os dias com amor. Não saber se estamos a fazer tudo bem. Ter dúvidas. Viver com o coração fora do peito. Saber que uma gargalhada deles é o melhor do mundo. Ter orgulho. Ter medo. Acreditar. Não seguir o que dizem os livros. Confiar no coração. Seguir o instinto. Acordar a meio da noite para ver se estão bem. Querer protegê-los do mundo. Dar-lhes asas para voar. Ter o peito apertado cada vez que ficam doentes. Ter mais dúvidas. Apreender o que é o amor incondicional.


Ser mãe é tudo isto e muito mais.
É o maior desafio de sempre.


A todas as mães, a minha  profunda admiração por todos os desafios que enfrentamos todos os dias e por termos a maior dádiva de sempre: os nosso filhos!


Feliz Dia da Mãe e que tenhamos sempre saúde para aproveitarmos todos os dias a vida.

Coisas que uma mãe deve ensinar a um filho

04.05.17 | Sofia Serrano

 

Dia da Mãe (8).JPG

 

Queremos que o nosso miúdo seja mesmo um príncipe encantado? Então, não nos podemos esquecer disto:



1. Ensiná-lo a dizer o que sente. Expressar os sentimentos é das coisas mais importantes para que cresça bem e feliz.


2. Incentivá-lo em todas as coisas. Assim, ele vai acreditar em si e querer sempre ir mais além.


3. Ensiná-lo a tratar da roupa. Deixá-lo ajudar a levar a roupa para a máquina, a estender a roupa, a guardar a mesma. Ajudar nas tarefas domésticas é importante.


4. Ler para ele e ler com ele. A imaginação cresce com a leitura.


5. Incentivá-lo a dançar. Crianças que dançam vão ser adultos felizes.

6. Assegurarmo-nos que ele tem como exemplo homens e mulheres que se destacaram pela sua inteligência, determinação e integridade e não só pelos músculos ou beleza. Para além do Hulk, também lhes devemos apresentar o Einstein.


7. Ensiná-lo a ser educado: por favor, obrigado, bom dia, até mais logo. Para que ele ajude a tornar este mundo num lugar melhor.


8. Dar-lhe algo em que acreditar. Mesmo nas alturas difíceis, para que ele saiba que tem pessoas que o amam mais que tudo e que vão sempre fazer tudo por ele.


9. Ensiná-lo que é preciso ser meiguinho, mesmo que ele seja o nosso menino irrequieto: com os bebés, com os animais, com outras crianças, com os sentimentos, com o mundo.


10. Deixá-lo sujar-se e estragar as roupas. Faz parte do crescimento dos rapazes, não vale a pena andarmos zangados - e dentro em breve ele cresce e tudo passa.


11. Jogar com ele futebol. Ou aprender os nomes dos carros da série preferida dele. Para que ele saiba que estamos na vida dele a sério, não somos só observadores.


12. Deixá-lo brincar na rua. Desligar a televisão, os computadores, deixar o telemóvel a carregar e brincar com ele, lá fora. É quase mágico, brincar na rua, explorar, andar de bicicleta.


13. Deixá-lo perder. É uma chatice perder. Mas não se pode ganhar sempre. Na vida, ele vai ter derrotas. E é preciso aprender a lidar com elas. Devemos explicar que é mesmo assim, umas vezes ganhamos, outras perdemos....mas não devemos nunca desistir.


14. Dar-lhe oportunidade de ajudar outros. Não obrigar, mas sim mostrar que pode ajudar - e devemos ser nós o exemplo. Darmos a outras famílias roupas que já não usamos, ajudar os vizinhos nas mudanças, partilhar.


15. Lembrar-lhe que a prática leva à perfeição. E que isto não se aplica só ao futebol, a desenhar ou a ler, mas a outras coisas do dia-a-dia, como fazer a cama ou cozinhar.


16. Responder sempre quando ele pergunta "Porquê?". E se não soubermos a resposta, procurar com ele uma resposta. Para que ele perceba que devemos sempre procurar respostas para as nossas dúvidas.


17. Construir castelos com ele. Ou transformar a sala num acampamento, com lençóis entre sofás e almofadas no chão. As coisas do dia-a-dia têm um potencial mágico e ele vai-se lembrar disso para o resto da vida.


18. Levá-lo a sítios novos. Conhecer novos lugares e pessoas expande o horizonte - e o coração.


19. Beijá-lo. Sempre, muitas vezes. As mães de rapazes sabem que eles são agitados e muito brutos a brincar a maior parte do dia - mas têm um lado meigo e charmoso que nos derrete. E adoram os beijios da mãe, sempre.


20. Ser o seu porto seguro. Mostrar-lhe que a mãe vai ser sempre o porto seguro dele. Quando está doente, quando está feliz, quando está nervoso. Mesmo quando crescer, casar e tiver filhos. A mãe será sempre a mãe e estará sempre lá, para o melhor e para o pior.