Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

A nossa "Dream Home": demolição!

26.02.18 | Sofia Serrano

Demorámos mais a começar esta aventura do que estavamos à espera.

Mas estamos a caminho de transformar uma casa antiga na nossa casa de sonho.

Como tinha dito, somos nós que vamos fazer alguma parte do trabalho.

Bem, eu confesso que adoro dar ideias e ver revistas de decoração, mas não sou grande coisa a partir paredes.

O Pedro é o mais entusiasta, mas depressa percebeu que as paredes não vão abaixo tão facilmente quanto no programa de televisão que adoramos ver , o "My Dream Home".

 

Mesmo assim, não desistimos. E com a ajuda precisosa dos amigos, vamos conseguir chegar ao conceito que queremos.

 

EC8C30F7-BD55-4BC5-BFE9-6C75B91C549D.jpeg

 

 

 

 

Programa em família: Portugal dos Pequeninos

24.02.18 | Sofia Serrano

DSC_0307.jpg

 

Andava a rever fotos no computador e encontrei as do verão passado - algumas que ainda não tinha partilhado aqui no blog.

Quando fomos à Viagem Medieval em Santa Maria da Feira, passámos em Coimbra e não quisemos deixar de os levar a um sítio muito especial - um clássico da infância de todos nós.

Visitar o Portugal dos Pequeninos, em Coimbra, ainda é um fantástico programa para os nossos miúdos.

 

O parque foi inaugurado a 8 de junho de 1940 e funciona desde então. Nele podemos conhecer a presença de Portugal no mundo, e a arquitetura e monumentos portugueses.

Claro que o mais divertidos para os miúdos é brincarem nas casas, pequenas répicas da realidade da arquitetura das várias zonas do nosso país. Adoraram, pois claro!

 

 

DSC_0309.jpg

 

DSC_0324.jpg

 

O Taj Mahal e a hemorragia pós-parto

19.02.18 | Sofia Serrano

istock-478831658.jpg

 

É uma das sete maravilhas do mundo, e sem dúvida, um lugar imperdível quando se visita a Índia.

O Taj Mahal foi construído pelo imperador Mogul Shah Jahan em honra a Mumtaz Jahal, sua mulher e amor da sua vida, junto ao rio Yamuna, em Agra. 

Tiveram 14 filhos, e Mumtaz morreu após o parto do 14º, devido à causa mais frequente de morte materna no mundo - a hemorragia pós-parto.

 

A hemorragia pós-parto corresponde à perda de sangue excessiva (mais de 1000ml) nas primeiras 24 horas após o parto. Também pode ocorrer de forma tardia, até 12 semanas após o parto (menos frequente).

Há várias causa para isto, mas a atonia uterina, ou seja a incapacidade do útero contrair corretamente, é a mais frequente.

Para evitar esta terrível complicação, em todo o mundo há um esforço dos profissionais de saúde para que existam equipas treinadas para reconhecer esta situação e fazer o tratamento adequado atempadamente. 

 

 

De mau humor? A culpa pode ser dele.

18.02.18 | Sofia Serrano

1488330053817.jpeg

 

Não é um mito. O SPM - Síndrome Pré-Menstrual- existe mesmo. Temos razões para aqueles dias de mau humor, ou para nos sentirmos com peso a mais. Ficam aqui 3 perguntas e respostas importantes sobre este tema:

 

É verdade que a síndrome pré-menstrual pode originar um aumento de peso na ordem dos 2-4 kg, mas que depois passa?

Sim, é verdade. O Síndrome Pré-menstrual (SPM) caracteriza-se por uma série de alterações, quer emocionais quer físicas, que ocorrem nos dias anteriores à vinda do período. Em algumas mulheres, estas alterações são muito marcadas e interferem com a vida diária. Geralmente os sintomas manifestam-se durante a segunda fase do ciclo (entre o 14º e o 28º dias do ciclo) e desaparecem quando aparece a menstruação. Esses sintomas podem ser alterações de humor, com irritabilidade, dificuldade em dormir, tristeza, dores de cabeça, mas também ganho de peso, inchaço abdominal e das extremidades (braços e pernas) e tensão mamária. Pode haver um ganho de peso significativo, entre 2 a 4kg, que desaparece com a menstruação.

  

 

O nosso Carnaval (o de antigamente!)

08.02.18 | Sofia Serrano

Captura de ecrã 2018-02-08, às 21.37.57.png

(eu, em modo Capuchinho Vermelho) 

 

Parece-me que não foi assim há tanto tempo. Foi na altura em que tudo passava mais devagar. 

O Carnaval era esperado e vivido com excitação. Havia mães e avós a costurar e remodelar peças antigas para nos tornar em princesas, palhaços, capuchinhos vermelhos ou bailarinas. 

Lembro-me de uma costureira que alugava os mais bonitos fatos de Carnaval, mas era muito difícil conseguirmos transformarmo-nos na tão cobiçada dama antiga ou princesa, porque só existia um modelo num tamanho - e era caro, um luxo a que nem todos se podiam dar.

Os habituais desfiles não podiam faltar. Mas havia todo um mundo de brincadeiras que o passar dos anos tem apagado - umas mais divertidas que outras.

Quem se lembra da farinha, que apanhava desprevenida muita gente? Mas ser enfarinhado ainda era o mais simpático, porque lançar ovos era um dos passatempos preferidos de muitos dos foliões. E balões de água.

O caminho de casa para a escola, que era feito a pé, tornava-se numa verdadeira corrida de obstáculos: primeiro tentava-se evitar o grupo dos enfarinhadores, depois era preciso correr até à loja mais próxima para fugir dos balões de água, e se fosse preciso tinhamos de procurar abrigo na casa de alguém para evitar ter uma gemada na cabeça. Claro que chegar impecável à escola era raro. E depois havia todo o caminho de volta.

 

 

Os desafios da parentalidade

01.02.18 | Sofia Serrano

maxresdefault.jpg

 

Quando pensavamos que a parte difícil já estava - aquela das noites mal dormidas, das fraldas e chuchas, das dúvidas em relação ao choro, das birrinhas e da adaptação alimentar - eis que todo um novo mundo de desafios surge aos pais: as contas de dividir com casas decimais. 

 

Sim, é preciso falar disto.

 

Quem é que ainda se lembra das contas de dividir? Aquelas feitas à mão (não vale sacar do iphone e carregar em números para instantaneamente saber a resposta).

Pois é! Nop, isto não é coisa de meninos. Isto é para gente crescida do 4º ano! Era nesta altura que se dominava esta área, e uma máquina do tempo dava um jeito dos diabos para voltar à época em que não se estava totalmente dependente da tecnologia para tudo o que é matemática.

 

Portanto, quando uma pessoa está confiante nesta coisa da parentalidade, eis que temos de ajudar a miúda a resolver 3567,83 : 0,34. E o pior é que é preciso MESMO saber como se faz. E saber explicar. E no final tudo tem de bater certo com o resultado que está no ecrã do iphone.

 

E eu a pensar que rever as quatro Dinastias dos reis portugueses e decorar todas as datas importantes estava a ser difícil.