Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Diário de uma varicela (parte 1)

Dia 1

Tudo estava perfeito. Bom tempo, uma brisa fresca. A família reunida para um aniversário especial. De uma pessoa muito especial. Miúdos felizes, a brincar. A tratar da horta. A jogar à bola. 
E depois lá começa a M. a queixar-se de dor de cabeça. "Hum...não é costume, deve estar para aparecer alguma", penso eu. Mas não tem febre e vai andando bem disposta.
E eis que à hora do banho surge a explicação: pintas! PINTAS!!!! Tem pintas na barriga e nas costas, muito, MUITO sugestivas de varicela. E uma pontinha de febre. (vamos lá ligar ao pediatra!)
TEM VARICELA! Bonito.
Era só o que me faltava para juntar aos meus malabarismos diários (que podem ler aqui). E o irmão???? Ai.... se não lhe começarem a aparecer agora...daqui a 15 dias temos novo filme.
Ela acha divertido. "Não vou à escola, não é mãe? YUPIII!!"
Sim. 7 a 10 dias em casa. Bonito. Só pode voltar à escola quando tudo estiver em crosta.

Dia 2

As pintas aumentam a olhos vistos. A febre baixinha vai continuando. A comichão começa a aparecer. Mas a coisa ainda corre bem.
Ao ver tanta pinta, ela pergunta se vai ficar com varicela PARA SEMPRE (!). Explico que não, que passa, lá contamos histórias de quando a mãe e o pai tiveram e que agora estão aqui lindos e maravilhosos (e ela ri-se).
Anda mais sonolenta que o habitual por causa do tratamento para a comichão ( hoje não se escapou à sesta, como tenta fazer sempre!).
É impossível impedir que os irmãos brinquem juntos. O P. não tem vestígio de pintas.

Dia 3

Acordou a queixar-se de comichão. Continuam a aparecer pintas POR TODO O LADO. Ela começa a achar que afinal não é assim tão divertido ter varicela (era o que ela imaginava, pintas giras, miúdos em casa a brincar a coisas divertidas e pouco mais.)
À medida que o dia passa a comichão aumenta, apesar do anti-histamínico. Resolvemos tentar o banho com farinha maizena.
Ela acha que se vai transformar num bolo (está a imaginar-se no meio da massa!). Fica desconfiada e acha que a mãe, que é médica, não está boa da cabeça. Mas tem tanta comichão que lá diz que experimenta. 
Quando começa a ver a banheira a encher e, de repente, a água a ficar branca, adora! Diz que é uma princesa a tomar banho em leite de burra (o que esta miúda se lembra!) e que vai ficar com a pele mais suave do reino.
Pelo menos enquanto está no banho de imersão não tem comichão.
Adora e é difícil tirá-la de lá.
O P. continua sem pintas.
Na hora de ir para a cama, a comichão piora. Resultado: juntas até altas horas da noite, eu a (tentar) estudar, ela a PASSAR-SE com a comichão, deita-se no sofá do escritório ao meu lado. Pondero ir pô-la na banheira com o dito leite de burra. Entretanto ela lá acaba por adormecer, mas acorda mais vezes durante a noite. Agora, já diz "Mas porque é que tinha de ser eu a ter varicela, mãe?".
Lá lhe explico que ela é uma princesa. Forte. E que a varicela vai passar (temos de ter paciência).

(continua)

Para seguir o Café, Canela & Chocolate no Facebook é aqui.
(e se quiserem seguir este blog, também podem: é só carregar ali no canto superior direito, onde diz "aderir a este site"!)