Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

Café, Canela & Chocolate

Conversas de uma mãe, que é médica Ginecologista/Obstetra e adora escrever. Com sabor a chocolate.

07
Jun18

5 coisas que se aprendem à medida que os filhos crescem


Sofia Serrano

JLI_SofiaSerrano-1222.jpg

Foto- João Lima, para a ACTIVA

 

1. Que as mães têm uma saúde de ferro, caso contrário cada vez que aparece o número da escola dos miúdos no ecrã do telemóvel teríamos um enfarte, de tão rápido que bate o nosso coração. Para além disso, estaremos capazes de participar num qualquer campeonato mundial de apneia, visto que sustemos a respiração desde o momento em que o telefone toca até nos certificarmos que está tudo bem com as nossas crias - e que, afinal, era só para avisarem que a professora de teatro ia faltar.

(Aquele "está tudo bem!" ao início não resulta, só descansamos mesmo no final da conversa!)

 

2. Que aquela história de existirem crianças sempre bonitas e arranjadinhas é um mito - e que mesmos nos dias importantes, com roupa de festa vestida e com mil recomendações ("Vê lá não te sujes!"), ao fim de 5 minutos há relva nas calças e nódoas no vestido. (também aprendemos que é sempre boa ideia ter uma muda de roupa na mala do carro!)

 

3. Que com crianças é impossível fazer planos. Ou melhor, podemos planear viagens, férias, passeios ou meramente um simples almoço, mas à última da hora há sempre um imprevisto, e é preciso improvisar uma solução - como acampar na sala quando o filho fica cheio de febre e com uma amigdalite daquelas no momento em que estavamos a carregar o carro e preparados para sair para umas férias no parque de campismo.

 

21
Mai18

Como é que consegues fazer tudo?


Sofia Serrano

Oiço esta perguntas muitas vezes. 

E a resposta é simples: não consigo. Não vale a pena estar com paninhos quentes.

Apesar de me tentar desdobrar em mil-e-um-papéis (como quase toda a gente!), a maior parte dos dias sinto que precisava de mais horas, mais paciência, mais energia.

E muitas vezes decido focar-me nas coisas mais importantes. Os miúdos são a prioridade - e os dias são muito orientados para ter algum tempo com eles. Preparar lanches e mochilas, ajudar a estudar, levar à escola. Tratar dores de cabeça e de barriga, secar lágrimas e aplaudir conquistas. Ir buscar à escola, levar às atividades extra-curriculares. Levar a comer um gelado. Ajudar nos banhos, ler histórias de adormecer.

Mas o meu trabalho também é a minha paixão e sou daquelas que não consigo dizer que não a mais uma consulta - porque se fosse eu do outro lado, numa situação de urgência, também queria poder ficar bem rapidamente. Ou acabo por demorar mais numa consulta porque preciso mesmo de ouvir o que aquela mulher me está a contar  (que é o motivo real para ter vindo a uma consulta de ginecologia) e afinal, só de a ouvir e tentar compreender posso ajudar mais que a prescrever um medicamento qualquer. Muitas vezes saio mais tarde, não tenho hora de almoço e esqueço-me de ir à casa de banho. Mas tento fazer o melhor possível e tenho a sensação que precisava de mais tempo.

E o livro? E o blog? E tempo para namorar? 

Vou tentando encaixar isto tudo ao longo do dia - e da noite. Nem sempre consigo e há momentos melhores que outros.

Há dias em que chego a casa e percebo que precisava de arrumar o quarto deles (daquelas arrumações a sério!), que tenho uma série de máquinas de roupa para fazer, que a cozinha continua de pantanas desde esta manhã, que a roupa de inverno ainda está por arrumar...e que o fim de semana desapareceu misteriosamente e daqui em nada estamos em agosto.

Antes de entrar em depressão, sento-me no sofá com um copo de vinho ou um café - e decido que preciso de um momento para mim para depois retomar as rédeas desta vida acelerada que todos temos.

Não, não consigo fazer tudo.

Mas dou o meu melhor - e às vezes preciso de deixar a casa desarrumada e ir dar um mergulho à praia para recuperar energias.

 (e prometo que estou a tentar responder a todos os mails, entrevistas e questões dos grupos de facebook e que vou publicar uma série de posts em atraso com as nossas escapadinhas de fim de semana, assim que der conta do monte de roupa para lavar cá de casa!)

 

IMG_9860.jpg

 

IMG_9883.jpg

IMG_9854.jpg

(isto foi domingo, horas antes de cair uma chuvada brutal - soube tãaaaaao bem!)

 

23
Abr18

Pedido: será que podem fazer biquinis para corpos normais?


Sofia Serrano

Assim que a Primavera começa a dar um ar de sua graça, a nossa mente salta imediatamente no tempo, diretamente para a praia e as férias do verão. A verdade é que, geralmente, é mesmo só a mente, porque o corpinho ainda está em modo folar e chocolates. Adiante. 

Ficamos cheias de vontade de correr para as lojas e comprar um biquini novo. Ou um fato de banho. Eu sou daquelas que gosta de navegar pela internet, pelas marcas portuguesas de biquinis e não só, e ter uma ideia do que está à venda nesta estação. E é isto que se encontra:

 

Captura de ecrã 2018-04-23, às 15.42.41.png

Captura de ecrã 2018-04-23, às 15.44.57.png

 

Os biquinis e fatos de banho são lindos, e as miúdas que os vestem perfeitas, bem como a paisagem de fundo. A primeira reação é carregar no botão do "comprar" porque queremos ser exatamente como as raparigas do catálogo.

 

Mas ao fim de 3 segundos, pensamos:  "se calhar mais vale experimentar primeiro o fato de banho, não vá ficar diferente desta foto...". Pois.

 

05
Abr18

7 coisas que as mães fazem nas férias da páscoa!


Sofia Serrano

children-easter-eggs-bunny.jpg

 

1. Pulam de alegria porque vão ter duas semanas de descanso em família - e fazem mil planos para pôr o sono em dia, ir a um Spa tratar de si, sair com os miúdos e aproveitar o bom tempo da Páscoa (sempre com aquela intuição que possivelmente vai sair tudo ao contrário).

 

2. Logo no 1º dia de férias, são acordadas de madrugada (às vezes antes das 6:00 da manhã!) porque os miúdos não têm escola e por isso acordam mais cedo que o habitual (claro!) - e precisam que alguém os ajude a ir à casa de banho, lhes acenda a televisão e faça o pequeno almoço. E quando estão finalmente instalados no sofá e a mãe pode voltar para a cama...o sono foi-se. Lá se foram os planos de pôr o sono em dia, porque este filme repete-se todos os dias das férias.

 

 

Estamos no instagram, aqui!

Boy-hugging-mom-r.jpg

 

 

 

05
Jan18

Planos para amanhã


Sofia Serrano

images.jpeg

 

Dizem que vem aí (ainda) pior tempo.

Que é como quem diz frio, chuva, vento, neve, granizo e todas essas coisas que nos transformam em seres enroscados em mantas, a viver em sofás, entre aquecedores e lareira, a devorar séries de televisão - para quem tem filhos o cenário não será assim tão romântico, como se sabe, mas passa por manter entretidos os miúdos dentro de 4 paredes e simultaneamente manter a sanidade mental.

E tudo isto inclui bolo Rei, porque afinal de contas amanhã é dia de Reis e há tradições a respeitar - e eu confesso que faço parte do pequeno grupo de pessoas que adora bolo Rei e frutas cristalizadas (cá em casa sou eu e a Mariana!).

Posto isto, e aproximando-se o final de sexta-feira, seria um destes cenários idealizados para sábado.

 

Só que não.

 

07
Nov17

Sobre os "sítios para deixar crianças"


Sofia Serrano

Nos dias de hoje, não há hotel nem centro comercial que se preze que não tenha uma sítio para as crianças brincarem, sob supervisão especializada (vulgos monitores), a troco de alguns euros por hora, enquanto os pais vão "fazer alguma coisa" - seja compras, massagens, ir ao cinema ou seja lá o que for. Uma espécie de "depósito de miúdos", perdoem-me a expressão.

 

Eu confesso: isto comigo não resulta. E faz-me francamente confusão. Em primeiro lugar porque as nossas crianças passam os dias inteiros na escola, supervisionados por alguém que não os pais, e só os vêm (a grande maioria) de manhã, de fugida, e à noite, entre banhos e jantares.

Depois, porque quando saímos juntos para passear ou vamos passar um fim de semana a um hotel, o nosso objetivo é passarmos tempo de qualidade em família. 

 

Ora o conceito "em família" implica "todos", incluíndo os miúdos. E termos tempo juntos é bom - não é preciso estarmos sempre colados uns aos outros, mas partilharmos espaços e experiências, é bom para todos - nós precisamos de conhecer os nossos filhos, eles precisam da nossa perspetiva de ver o mundo para crescerem.

Por isso, não consigo deixar lá os meus filhos e ir descansada à minha vida, como vejo tanta gente fazer. O tempo é precioso e eles são a minha vida.

 

 

 

30149_animal_wood_park.jpg

 

25
Out17

Sabes que estás a ficar velha quando...


Sofia Serrano

Situação 1:


Chegas à escola da tua filha e uma das amigas dela vem ter contigo:
- Mãe da Mariana! Adoro os seus sapatos!
- Obrigada (eu contente)
- Sério! São iguais aos da minha avó! Adoro!
- Ahhh.....pois. (eu com aquele ar de quem não percebe se isto foi bom ou mau)

 

Situação 2:


Entra a próxima paciente no teu consultório. Uma senhora simpática de 82 anos. Pára a alguns metros da secretaria onde estou sentada.
- Ai meu Deus! Dra, que nova que é! Nem pode ser médica! Acabou de sair da faculdade!
- Que simpática! Mas já tenho mais alguns anos do que aqueles que pensa que tenho! (eu feliz porque ninguém suspeita dos 37 anos) A senhora é que está ótima. E conte-me, vem cá porquê?
- Olhe, nem sei bem. Espero, acho que tenho aqui apontado num papel, que a minha filha escreveu tudo. Ah, pois, o problema é que só vejo de um olho e muito mal! Quase nada! Ah agora já vejo as rugas na sua testa, tem razão, afinal não é assim tão nova!

 

tumblr_nxtzjgACPd1tl54kqo1_500.gif

 

23
Out17

Eu, mãe, confesso.


Sofia Serrano

cc69660eddde7f42b00d6c39692550de.jpg

 

 

Apesar de os meus filhos serem a melhor coisa do mundo, nem sempre sou a mãe perfeita e fico muito longe da ideal.

Por isso, eu, mãe, confesso:

- foi difícil encontrar o momento ideal para decidir ter filhos. Acabou por ser uma coisa instintiva. E às vezes tenho saudades da liberdade que tínhamos antes de vocês nascerem (mas já não consigo imaginar a minha vida sem os dois);

- houve momentos em que não gostei de estar grávida - porque os pés inchavam, porque me sentia desconfortável naquele meu corpo, porque tinha saudades de vestir as minhas calças de ganga e dormir de barriga para baixo;

- nunca gostei do momento do parto, porque sei demais - penso sempre em mil coisas que podem acontecer, e vocês são o que há de mais precioso no mundo para mim ( e prefiro mil vezes estar do lado do obstetra do que ser a grávida)

- aquele instinto maternal imediato, de que tanto falam, não apareceu, por magia, assim que nasceram - foi uma coisa que se foi construindo devagarinho e de forma sólida, e agora é indestrutível;

 

09
Out17

Quando a vida nos troca as voltas


Sofia Serrano

_96887457_gettyimages-629111916.jpg

 

A vida é tramada. Prega-nos partidas quando menos esperamos, puxa-nos o tapete debaixo dos pés quando estamos distraídos a admirar o brilho da lua cheia numa noite de outono com sabor a verão.

Testa-nos.


Porque na realidade as reviravoltas inesperadas são só uma oportunidade de mostrarmos que podemos fazer melhor. Que conseguimos dar a volta por cima, e encontrar o caminho mesmo que nos troquem as voltas.

Acredito nisso, do fundo do coração.

 

É segunda feira e não sei bem o que reserva o futuro. Mas acredito que isso é só mais um desafio desta vida.
E que o inesperado vai trazer coisas boas. Mesmo que seja preciso arriscar.

Pesquisar

Bem-vindos!

Olá! Sou a M. Sofia Serrano S., Ginecologista-Obstetra, mãe de dois miúdos maravilhosos, apaixonada por escrita. Adoro café, canela e chocolate e aproveitar as coisas boas da vida! Neste blog partilho as nossas aventuras em família, os desafios de ser mãe, dicas para as grávidas e tudo o que é fundamental saber sobre a saúde da mulher. Também conto algumas das aventuras dos hospitais e partilho um bocadinho deste mundo da medicina. Fiquem por aqui!

Sigam-me

Contactos

msofiaserrano@gmail.com

Novo Livro

Os meus livros

Captura de ecrã 2016-09-20, às 20.46.51.png

Comprar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D